INSURGÊNCIA GLOBAL proletari

Comunicado nº 2 de Conferência Internacional

Luitando e organizando a rebeliom nas ruas é como se atingem vitórias

As rebelions populares no Equador e no Chile contra as receitas da Escola de Chicago, implementadas polo FMI e os governos predadores, som um farol para o conjunto da classe trabalhadora e os povos do mundo.

Equador e Chile, como o Haiti e as Honduras, como previamente o Estado francês, marcam o caminho a seguir para frear o capitalismo, injetam moral de combate sobre as imensas capacidades dos povos luitando nas ruas, e traçam estratégias de vitória perante a desmobilizaçom e desvertebraçom popular.

Também as ruas da Catalunha protagonizárom a esperada rutura dos setores mais avançados do povo trabalhador com o fetichismo pacifista e o ilusionismo da “via catalana à independência”, promovida polo independentismo burguês e pequeno-burguês. O falaz relato das receitas mágicas para atingir a República mediante acumulaçom de maiorias quantitativas e o reconhecimento dos organismos imperialistas, saltou polos ares perante a rebeliom que marca um ponto de inflexom no procés. As barricadas de lume projetárom luz, quebrárom o falso consenso, resituárom a luita e independência de classe no taboleiro do processo de libertaçom nacional.  

Lamentavelmente as explosons que sacodem a América Latina, e que a curto prazo se extenderám por outros pontos do globo, carecem de vanguardas revolucionárias socialistas/comunistas com capacidade de incidência. A desfeita ideológica e organizativa das últimas décadas colhe-nos com o passo mudado, sem as ferramentas adequadas para incidir na orientaçom das rebelions.

No ano que comemoramos o 100 aniversário da Internacional Comunista, constatamos a urgente necessidade de reconfigurar, de reorganizar, de rearmar ideologicamente ao movimento revolucionário sob a inspiraçom e o legado de Marx, Lenine e o Che.

A Conferência Internacional manifesta o seu apoio aos povos rebeldes do Equador e do Chile, às luitas de massas no Haiti e nas Honduras deliberadamente negadas pola ditadura mediática, à Catalunha que começa a despreender-se do idealismo transversal que hipotecava y bloqueva a sua heroica tradiçom de combate.

Equador constatou a inutilidade das bancadas parlamentares reformistas para tombar o pacoque neoliberal inspirado no terrorismo económico teorizado por Milton Friedman.

As ruas do Chile seguem dando umha leiçom aos povos instalados na submissom e o conformismo. O que parecia impossível, após décadas de capitalismo periférico, dependente e de colaboracionismo traidor ao povo trabalhador de todas as organizaçons socialdemocratas chilenas, por muito que alguns, por oportunismo se disfarcem de “socialistas”, “comunistas” e “revolucionárias”, saltou polos ares, com o maciço levantamento em curso das massas trabalhadoras, populares e empobrecidas chilenas. O incremento do preço do metro foi o detonante que incendiou o país paradigma do êxito capitalista, modelo e aluno aventajado de Washington e Bruxelas. Trinta pesos [1,13 a 1,17dólares] foi suficiente para ativar o furacám da ira e o descontentamento popular acumulado em décadas de abusos.

A legitimidade e plena atualidade do exercício do direito universal à rebeliom contra toda forma de opressom e dominaçom frente a imposiçom do monopólio da violência burguesa, marca a diferença qualitativa entre o campo revolucionário e o das forças falsamente denominadas progressistas e de “esquerda”.

A Conferência Internacional tem as suas portas abertas a todas aquelas forças e organizaçons que consideram necessário organizar a Revoluçom Socialista/Comunista nas suas respeitivas formaçons sociais, coordenadas em irmandade proletária com o conjunto da classe obreira e do povo trabalhador e empobrecdio do mundo, com o que compartilhamos penúrias e idênticos anseios de liberdade e justiça.

 

Viva a rebeliom dos povos!

Vivam as luitas da classe operária e dos povos do mundo!

Até a vitória sempre!

 

 

28 de outubro de 2019